Brasil Polícia

Polícia do RJ diz que a “única pessoa que foi calada foi o menino Henry Borel”

A Polícia Civil do RJ considera “descabido” o argumento de que Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel, foi controlada por advogados ou ameaçada pelo namorado, o vereador carioca Dr. Jairinho (sem partido).

“A única pessoa que foi calada nessa situação toda foi o Henry. Ele pediu ajuda e não foi ouvido”, destacou o delegado Henrique Damasceno, da 16ª DP (Barra da Tijuca).

Damasceno afirmou que Monique pediu para que a babá, Thayná Oliveira, apagasse mensagens e que não falasse o que sabia. “Não há provas nos autos de que, em qualquer maneira, ela foi subjugada”, completou.

Policiais que conduziram o inquérito, encerrado nesta segunda-feira (3), deram detalhes da conclusão da investigação em uma coletiva nesta terça (4). Jairinho e Monique foram indiciados por homicídio duplamente qualificado.

“Muito mais difícil do que prender um vereador, um médico, uma liderança política é responsabilizar criminalmente uma mãe que tinha perdido um filho de 4 anos de idade”, disse o delegado Antenor Lopes, chefe do Departamento de Polícia da Capital.

O que os policiais apontam

  • “Foi uma mentira do início ao fim”, afirmou o delegado Henrique Damasceno;
  • Houve pelo menos três episódios de agressão de Jairinho contra Henry em fevereiro antes da morte do menino, e Monique sabia;
  • A babá, Thayná, suavizou as agressões contra Henry, mesmo quando prestou novo depoimento;
  • Monique teve diferentes momentos para falar a verdade ou pedir ajuda, mas, ao invés disso, encobriu Jairinho — mesmo nas cartas escritas na cadeia;
  • Não é possível detalhar as agressões que mataram Henry — nem o que Jairinho ou Monique fizeram naquela madrugada, mas “a causa da morte foi violência”, segundo Damasceno;
  • “Somente uma confissão mostrará o que houve”, emendou.

Rotina de brigas

“Havia, sim, uma rotina de discussões constantes em relação ao padrasto e a mãe do menino”, emendou o delegado Henrique Damasceno.

“Em relação ao argumento de calar a Monique, é um argumento descabido. Ela foi ouvida por horas, teve a oportunidade de se manifestar. Numa busca e apreensão na sua casa, estavam só ela é a família,” pontuou.

A polícia concluiu o inquérito menos de dois meses depois da morte de Henry, no dia 8 de março.

Segundo a investigação, Monique manteve a relação com Jairinho apesar de todos os sinais de agressão contra Henry — e por isso a mãe teria contribuído para a morte do filho, já que não afastou o menino do vereador.

O político também foi indiciado por outros dois episódios de tortura contra Henry em fevereiro.

Num deles, dia 12, a própria criança e a babá Thayná Oliveira relataram essas agressões numa ligação por telefone com Monique, que estava num salão de beleza. Por causa disso, a mãe está respondendo por tortura por omissão.

Dr. Jairinho e Monique Medeiros, em fotos feitas no ingresso do casal no sistema penitenciário — Foto: Reprodução
Dr. Jairinho e Monique Medeiros, em fotos feitas no ingresso do casal no sistema penitenciário — Foto: Reprodução

Acidente descartado

A investigação da polícia tomou mais de 20 depoimentos e fez três perícias no apartamento onde Henry morava com a mãe e o padrasto.

Os peritos descartaram a hipótese de queda acidental, e o exame no Instituto Médico-Legal apontou 23 pontos de lesão no corpo do menino. Henry morreu por hemorragia causada por uma ação contundente no fígado.

Monique pediu para ser ouvida novamente — ela alega que mentiu porque estava sendo manipulada. A professora poderá prestar um novo depoimento se o Ministério Público ou a Justiça pedirem.

Agora, cabe ao MP decidir se denuncia o casal.

Jarinho já é réu em outra denúncia por tortura contra a filha de uma ex-namorada.

A menina, hoje com 13 anos, tinha 4 quando foi agredida por ele.

*G1

Postagens relacionadas

Bolsonaro critica governadores que criaram auxílio estadual

Natasha Azevedo

Contran prorroga renovação da carteira de motorista em 15 estados, por tempo indeterminado

Natasha Azevedo

Bolsonaro promete fim das emissões de gases de efeito estufa até 2050

Natasha Azevedo
error: Content is protected !!