Brasil

STF começa a julgar liberação de cultos e missas presenciais durante pandemia

O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) começou a julgar nesta quarta-feira (7) a permissão de cultos e missas presenciais no país durante a fase mais aguda da pandemia da Covid-19, depois de dois ministros darem posicionamentos contrários.

No último sábado (3), o magistrado Nunes Marques concedeu uma decisão liminar que permitiu a realização de celebrações religiosas com público, argumentando que são serviços essenciais. Dois dias depois, na segunda-feira (5), Gilmar Mendes negou um pedido semelhante.

“Em um cenário tão devastador, é patente reconhecer que as medidas de restrição à realização de cultos coletivos, por mais duras que sejam, são não apenas adequadas, mas necessárias ao objetivo maior de realização da proteção da vida e do sistema de saúde”, disse Gilmar na decisão. “Quer me parecer que apenas uma postura negacionista autorizaria resposta em sentido afirmativo”.

No ano passado, o STF decidiu que estados e municípios tinham autoridade para adotarem medidas de restrição de forma independente, de acordo com a realidade local. 

O processo deve levar tempo e segue a seguinte ordem:

  1. Leitura do relatório pelo relator do caso, Gilmar Mendes;
  2. Manifestação dos autores das ações;
  3. Manifestação da AGU (Advocacia-Geral da União);
  4. Manifestações de amicus curiae (terceiros que ingressam no processo para fornecer subsídios para o julgamento da causa); espera-se que sejam mais de 20 manifestações;
  5. Manifestação da PGR (Procuradoria-Geral da República);
  6. Votação, na seguinte ordem: Gilmar Mendes (relator), Nunes Marques, Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e Luiz Fux (presidente).

*Por CNN

Postagens relacionadas

Dr. Jairinho ligou para políticos na tentativa de impedir que corpo de Henry chegasse ao IML

Natasha Azevedo

Câmara Federal aprova destaque que tira da PEC Emergencial a desvinculação de fundos

Natasha Azevedo

Vídeo: Rodrigo Bocardi critica “fura-fila”, no AM

Natasha Azevedo
error: Content is protected !!