Dia a dia

Segunda dose de vacina contra a COVID-19 começa a ser aplicada, em MG

Minas Gerais começou a imunizar os primeiros profissionais da saúde com a segunda dose da CoronaVac, na tarde de ontem. Ibirité e Betim são as primeiras cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) que aplicaram a segunda rodada da vacina contra a COVID-19. No Leste de Minas, apenas Coronel Fabriciano deu início aos protocolos da segunda dose. Muitas cidades já receberam o novo lote, mas ainda estão se organizando e encaminhando para os hospitais e unidades de saúde.

A espera por este momento pareceu uma eternidade para os que trabalham na linha de frente do combate à pandemia do novo coronavírus. Rita Gonçalves dos Reis Silva, de 34 anos, técnica de enfermagem do Hospital de Campanha de Ibirité, recebeu a segunda dose.

“Tomar esta segunda dose significa esperança de, no meu caso, não me reinfectar porque já peguei COVID-19. É um vírus traiçoeiro, nunca se sabe qual será a gravidade. Vi muitas vidas sendo perdidas e famílias inteiras infectadas, um sofrimento imenso. Para mim, a espera da vacina foi longa. É uma conquista. Agora a esperança se sobrepõe ao medo”, diz Rita.

Wilson Bispo dos Santos, de 50, é auxiliar de serviços gerais há 15 anos no Hospital Regional de Ibirité e também atuou no Hospital de Campanha. Ele foi o segundo no município a receber a segunda dose e conta que o medo de contrair a doença era constante. “É uma felicidade muito grande, o sentimento é de gratidão. O medo era grande de contrair a doença, eu ficava bastante preocupado porque convivo com os meus pais e avós. Minha mãe tem problema no coração, pressão alta e diabetes e o medo era de levar o vírus para casa”, conta Wilson que não teve nenhum efeito colateral quando recebeu a primeira dose.

De acordo com a assessoria de comunicação de Ibirité, todos os profissionais da saúde serão atendidos. Ao todo, 2.722 pessoas serão imunizadas na cidade, sendo 1.177 profissionais imunizados do primeiro lote, mais 1.545 pessoas do segundo lote (sendo 155 da CoronaVac e 1.390 da Astrazeneca).

Outra cidade da RMBH, Betim, também deu início aos protocolos para a segunda dose. Na tarde de ontem, os trabalhadores do Centro de Cuidados Intensivos, o Cecovid-4, foram os primeiros a receber a segunda dose. Ao longo das próximas semanas, as demais unidades de saúde receberão o complemento. Betim obteve 5.161 doses da CoronaVac para a segunda etapa de imunização. O município também recebeu da Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG) um novo lote com 670 doses da CoronaVac e 2.990 da vacina Astrazeneca para aplicação da primeira dose.

Vale do Aço

Entre as grandes cidades do Leste de Minas, apenas Coronel Fabriciano, no Vale do Aço, tem vacinado os idosos que não estão nos asilos e casas de repouso. Os idosos internos dessas instituições foram os primeiros a ser imunizados na cidade. Os demais estão sendo visitados em suas residências, onde recebem a vacina. A vacina em domicílio, segundo a prefeitura, é uma forma de garantir a segurança das pessoas de grupos de risco, evitando a exposição desnecessária com os deslocamentos até as UBS. A vacinação domiciliar de idosos e doentes crônicos começou na quinta-feira (20/1), dia do aniversário de 72 anos de Coronel Fabriciano. Na terça-feira (2/2), o prefeito Marcos Vinícius da Silva Bizarro (PSDB), que é geriatra, aplicou a segunda dose da vacina em 27 internos Serviço de Acolhimento Institucional –Lar dos Idosos Bem Viver. Nos próximos dias, todos os vacinados com a primeira dose, inclusive os vacinados em domicílio, receberão a segunda dose. Na segunda-feira, Coronel Fabriciano recebeu mais 1.465 doses de dois tipos de vacina contra o novo coronavirus: a Astrazeneca e a CoronaVac, por meio da Superintendência Regional de Saúde (SRS). Esse volume, segundo o secretário Ricardo Cacau, ainda é insuficiente para atender toda a cidade, mas outras remessas são aguardadas para a próxima semana e a expectativa do município é de não interromper o trabalho.

Vacinômetro de Minas

Segundo o vacinômetro da Secretaria de Estado da saúde (SES-MG), na tarde de ontem (3/1), a vacina havia sido aplicada a 179.990 profissionais da saúde, 13.015 idosos em Instituições de Longa Permanência, 1.136 pessoas com deficiência em residências inclusivas e 2.685 população indígena em Minas Gerais. Os dados, porém, não informam quantas pessoas receberam a segunda dose. Segundo especialistas, a proteção começa, em média, duas semanas após a aplicação da segunda dose no paciente.

Foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press

Com informações de MSN notícias

Postagens relacionadas

Investigação: Roberto Cabrini faz ‘plantão’ no HPS 28 de Agosto, em Manaus

Natasha Azevedo

Comboio com oxigênio chega a Manaus, depois de atoleiro na BR-319

Natasha Azevedo

Pai do ator Malvino Salvador é exonerado do Governo do Amazonas

Danilo Andrade
error: Content is protected !!