Dia a dia

Pesquisa revela que 56% dos americanos querem condenação de Trump em impeachment

É comum que muitos políticos se tornem mais populares depois que deixam o cargo. Esse não foi o caso do ex-presidente Donald Trump.

Na véspera de seu julgamento de impeachment perante o Senado, uma nova pesquisa revela que mais americanos o querem condenado do que em qualquer momento durante seu primeiro julgamento de impeachment, há um ano.

O mais surpreendente é que há mais pessoas que desejam que Trump seja proibido de ocupar cargos nacionais novamente do que uma classificação desfavorável de qualquer presidente após um mandato.

Uma nova pesquisa da ABC News/Instituto Ipsos divulgada no último domingo (7) mostra que 56% dos americanos são a favor de o Senado condenar Trump e impedi-lo de ocupar cargos federais no futuro. Apenas 43% se opõem a tal ação.

Esta é apenas a última pesquisa para encontrar uma pluralidade clara para tal medida, mesmo depois que Trump deixou o cargo. Uma pesquisa da Universidade de Monmouth realizada no final de janeiro indicou que 57% o queriam impedido de ocupar cargos federais e 52% queriam que ele fosse condenado pelo Senado.

Todas as pesquisas realizadas no mês passado que atendem aos critérios de confiança estabelecidos pela CNN mostraram que pelo menos 56% dos americanos querem que ele seja impedido de manter ou buscar (dependendo da pergunta) um cargo federal novamente.

Ou seja, o que se tem é uma porcentagem impressionante. Em nenhum momento, no ano passado, nas pesquisas entre Trump e o atual presidente Joe Biden, Biden jamais ganhou perto de 56% na média nacional. Isso significa que provavelmente há milhões de americanos que votaram em Trump no ano passado e agora querem que ele seja impedido de ocupar cargos.

De fato, enquanto cerca de 80% dos republicanos (dependendo das pesquisas) não querem que Trump seja impedido de concorrer ou ocupar um cargo federal, isso ainda indica uma queda clara no apoio em relação ao ano passado. Trump conquistou mais de 90% dos republicanos que se autodenominam na eleição do outono passado.

No geral, esse tipo de oposição a um presidente em exercício ou ex-presidente após um mandato é histórico. Nenhum outro presidente após um mandato na história das pesquisas teve uma classificação desfavorável ou desaprovação ao norte de 50%. Sobre a questão muito mais dura de ser barrado no cargo, Trump está acima desse marco.

Quando se trata de convicção especificamente, parece haver uma maioria ligeiramente menor a favor de tal ação. Uma média de 51% dos americanos em pesquisas com entrevistas ao vivo feitas desde 20 de janeiro são a favor. Uma minoria de 43% se opõe a isso. Essa diferença de 8 pontos permaneceu basicamente a mesma no mês passado.

Quando o Senado absolveu Trump após seu primeiro julgamento de impeachment em 2020, a diferença entre apoiar e opor impeachment era de 4 pontos. Nunca chegou tão alto quanto os 8 pontos que está agora.

Para uma comparação histórica, nenhum outro presidente, exceto Richard Nixon, teve uma maioria de americanos dizendo que ele deveria ser destituído pela Câmara e condenado pelo Senado. Poucas semanas antes de Nixon renunciar, uma clara maioria acreditou que ele deveria ser destituído e destituído do cargo.

Claro, Trump provavelmente não será condenado (ou impedido de concorrer a um cargo federal) porque seu apoio dos republicanos, embora baixo, ainda é de 80% quando se trata de absolvê-lo pelo Senado. Os republicanos têm 50 cadeiras no Senado e 67 votos são necessários para a condenação.

Mas a provável absolvição de Trump não deve ser confundida com o apoio do eleitorado maior.

O resultado final é que Trump continua bastante impopular e muitos americanos não querem fazer parte dele.

Com informações de CNN Brasil

Postagens relacionadas

Cemitério Nossa Senhora Aparecida, no Tarumã, tem intensa movimentação neste domingo (10)

OAmazones

Dono da Digitron vence leilão e arremata sede do Rio Negro por R$ 3,78 milhões à vista

Natasha Azevedo

TJAM homologa concurso público realizado para provimento de vagas na Justiça Estadual

O Amazonês
error: Content is protected !!