Brasil

Anvisa aprova registro definitivo da vacina de Oxford

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou, nesta sexta-feira (12), a aprovação do registro definitivo da vacina de Oxford. A aprovação ocorre 42 dias após o pedido realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, que produz o imunizante no País. Trata-se da segunda vacina contra a Covid-19 a obter o registro definitivo no País – a primeira foi a vacina da Pfizer, em 23 de fevereiro.

A agência também deu o aval para o primeiro medicamento para tratamento da Covid-19 no Brasil: o remdesivir. Inicialmente indicado para a evolução de pacientes com ebola, o remédio foi associado a uma recuperação mais rápida da forma grave da doença.

O registro permite a vacinação em massa e a comercialização do imunizante com o setor privado. A vacina de Oxford, desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e pela farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca, integra o plano nacional de vacinação e está sendo aplicada por meio de uso emergencial desde janeiro em grupos prioritários no país.

O anuncio da Anvisa ocorre um dia depois que uma série de países suspenderam o uso da vacina de Oxford após suspeita de reação adversa grave, como trombose e embolia pulmonar. Dinamarca, Noruega, Bulgária, Romênia e Tailândia interromperam a aplicação do imunizante. Já Itália, Áustria e Luxemburgo suspenderam apenas alguns lotes da vacina. Na Espanha, algumas remessas do imunizantes estão em avaliação. No Brasil, não há registro de trombose nem de embolia pulmonar.

Gustavo Mendes, gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da Anvisa, colocou, durante a apresentação desta sexta-feira (12) entre as incertezas da vacina, a eficácia e segurança a longo prazo, a eficácia em idosos, a eficácia em relação ao intervalo de doses (o intervalo usado atualmente é de 3 meses), a eficácia para prevenir formas graves da doença, o possível uso de dose única e o desempenho do imunizante em imunodeprimidos e grávidas e em relação às variantes. “Os benefícios superam os riscos e por isso aprovamos o registro desta vacina”.

A agência também anunciou o andamento do processo de aprovação de outras vacinas, como a da Johnson. No momento, a agência aguarda pedido de submissão contínua para uso emergencial ou registro para que possa viabilizar essa opção. Outra vacina destacada foi a Moderna. Segundo a Anvisa, não há pedido de importação nem e uso emergencial nem de registro, mas que há interesse pelo país. “Sobre a Sputinik, a expectativa é que os próximos passos sejam tomados pelos russos para saber sobre informações de segurança e eficácia”.

Em relação à Covaxin, empresa sinalizou interesse em fazer estudo clínico no país em parceria com o hospital Albert Einstein e na semana passada foi concluída a inspeção na fábrica da Bharta Biotech, fabricante da vacina. “Há também a CanSino que já tem resultados promissores e estamos vendo qual vai ser estratégia da empresa para podermos avaliar”.

A Anvisa ainda destacou o interesse em vacinas contra a Covid produzida por universidades brasileiras, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, UFMG e UFRJ, que estão em fases pré-clinicas. “Estamos em contato dando todo o suporte para que possam avançar”, afirmou Mendes.

*Com informações de R7

Postagens relacionadas

Jair Bolsonaro passa por exames para investigar soluços

Danilo Andrade

Por segurança, Lula cancela ato de campanha em São Paulo

Danilo Andrade

Ação sobre doações ao Instituto Lula é distribuída à 10ª Vara Federal do DF, nesta terça-feira (30)

Danilo Andrade
error: Content is protected !!